Sábado, 28 de Outubro de 2006

onde não há memória nada há em comum

publicado por vitorcandidojose às 15:25
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Jorge Dias a 30 de Outubro de 2006 às 13:58
Não creio que a memória seja suficiente... para manter o comum numa relação. Veja-se o caso das pessoas com amnésia. Crise de identidade? E crise na amizade? Amor?
De vitorcandidojose a 1 de Novembro de 2006 às 18:46
O texto aborda na sua essência a memoria colectiva, aproveitando os 70 anos do campo de prisioneiros do Tarrafal, mas dele também se pode partir para as memorias pessoais e elas são sempre a necessária base, principio.

Abraço Vitor José

Comentar post

vitorcandidojose@sapo.pt

.pesquisar

 

.textos recentes

. Pedro Rolo Duarte

. Sem mais.

. É não é

. Soneto de Fidelidade

. Adelaide

. Quando me sinto só

. Urgências...

. CORRESPONDÊNCIA

. Livre

. Com a devida vénia ( blog...

.links

.recordações

. Julho 2010

. Novembro 2009

. Fevereiro 2009

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Agosto 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO