Sexta-feira, 15 de Outubro de 2004

Impressões soltas

O meu amigo Jorge, aproveitou o texto de ontem para fazer uma invocação da nossa amizade e da distância que nos atormenta especialmente por ser castradora de uma partilha mais intensa. Costumo dizer que a amizade é saber trair a distância e ultimamente isso não tem sido fácil. Este meu amigo faz parte dos professores que todos os anos esperam uma colocação numa escola algures, todos os anos carrega as costas as angustias, duvidas, frustrações e a saudade. O sistema de colocação de professores não é um fracasso deste ano, um fracasso de conjuntura é um fracasso estrutural da nossa democracia, o que torna a problemática totalmente diferente. Permitam-me a confissão, hoje senti-me passar por tanta gente sem ser tocado nem tocando, há uma sensação de vazio quando deixo escapar os dias pelas mãos e eles ficam cheios de nada.


( Comentado por Carla )Desde há dias que sinto um alheamento emocional que me suga as energias e fico assim perdida num turbilhão de pensamentos e ideias que me levam para todo o lado e para lado nenhum, o cérebro anda a mil, à volta parece tudo louco fruto da desorientação e da falta de directrizes em que vivemos. Corroemo-nos por dentro face ao que vemos e ouvimos e vamos sendo engolidos e totalmente absorvidos por estes dias que não nos trazem nada a não ser dúvidas. Quando damos por nós o dia passou e ficámos à margem porque não tivemos “tempo” emocional para estar com aqueles que amamos. Mudar é urgente, mas para mudar temos que acreditar, acreditar com esperança com convicção e fundamentalmente com Fé, porque só assim conseguimos levar o barco em frente e quem sabe levar alguns no mesmo rumo, confesso que às vezes tenho muitas dúvidas vivemos numa sociedade de consumo virada totalmente para a aparência, para a hipocrisia perdendo-se assim os valores os princípios que ficam numa caixinha muito bem fechada não vá ela abrir-se. Respira-se um ar podre e bafiento que dá nojo pelo menos para os que lutam para se manter à margem desta bola de neve. Restam aqueles breves momentos em que podemos sentir o conforto, o aconchego de um abraço, de uma palavra, de um beijo daqueles que Amamos, porque Amar é preciso


É no esquecimento do outro que o ar que respiramos se torna sujo. A urgência de mudar nasce do Amor pelo proximo. Amar é preciso, na mais profunda e intensa dimensão da palavra.


 

publicado por vitorcandidojose às 02:02
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 15 de Outubro de 2004 às 11:41
Desde há dias que sinto um alheamento emocional que me suga as energias e fico assim perdida num turbilhão de pensamentos e ideias que me levam para todo o lado e para lado nenhum, o cérebro anda a mil, à volta parece tudo louco fruto da desorientação e da falta de directrizes em que vivemos. Corroemo-nos por dentro face ao que vemos e ouvimos e vamos sendo engolidos e totalmente absorvidos por estes dias que não nos trazem nada a não ser dúvidas. Quando damos por nós o dia passou e ficámos à margem porque não tivemos “tempo” emocional para estar com aqueles que amamos. Mudar é urgente, mas para mudar temos que acreditar, acreditar com esperança com convicção e fundamentalmente com Fé, porque só assim conseguimos levar o barco em frente e quem sabe levar alguns no mesmo rumo, confesso que às vezes tenho muitas dúvidas vivemos numa sociedade de consumo virada totalmente para a aparência, para a hipocrisia perdendo-se assim os valores os princípios que ficam numa caixinha muito bem fechada não vá ela abrir-se. Respira-se um ar podre e bafiento que dá nojo pelo menos para os que lutam para se manter à margem desta bola de neve. Restam aqueles breves momentos em que podemos sentir o conforto, o aconchego de um abraço, de uma palavra, de um beijo daqueles que Amamos, porque Amar é preciso.

carla
</a>
(mailto:carlaalmeida@cnb.pt)

Comentar post