Domingo, 6 de Julho de 2008

Livre

 

Há neste olhar uma força sem dureza, uma coragem sem violência. Esta mulher foi estropiada da sua família e da sua luta que persistentemente conduz na Colômbia. Uma guerrilha denominada FARC raptou-a há 37 meses. Sequestrada por homens que se auto denominam libertadores do povo, tomaram de forma vil e cobarde o símbolo da esperança colombiana.
Ingrid Bettencourt disse do seu pais aquilo que os políticos só arriscam dizer em voz sumiça, disse-o e repito-o em inúmeros encontros com o seu povo, criou um partido político denominado "Oxigeno", afirmou-o enquanto Senadora e fez disso manifesto político da sua candidatura a Presidente da Republica. E o disso que falo e que cobardemente é comodamente ignorado pelos governos dos países ditos civilizados é a mordaça que aprisiona a Liberdade de um pais enlameado de droga, de corruptos, ensanguentado por raptos, assassínios selectivos, massacres numa espiral que tem a jusante uma guerra que conduziu já ao degredo da vida duas gerações de Colombianos.
Não há nesta guerrilha de assumido pendor de esquerda, uma estratégia que justifique este rapto, há uma exclusiva razão plausível para manter Ingrid Betancourt em cativeiro há 60 meses, essa razão prende-se com um facto cru, o de estar a referir-me, a energúmenos. Ingrid não preconiza somente o combate à droga e dos sujos interesses associados, preconiza o que de mais nobilíssimo existe numa vida, a luta pela libertação de um povo. Consome-me a complacência dos políticos dos países civilizados, expressa num silêncio ou em escusas de circunstância. É obsceno o relacionamento da cultura Ocidental com a Colômbia, assenta essencialmente numa parcela substancial dos 400 a 500 biliões de dólares provenientes do comercio da droga e nos interesses pela exploração petrolífera é especialmente por estes motivos que os civilizados sujam as mãos. É por estas razões de Estado que ignoram as ameaças, as tentativas de atentado e o cativeiro desta mulher que ergueu um partido, tornou-se na senadora mais votada da Colômbia e é a esperança viva de um povo e de todos aqueles que suprindo a distância física sentem a ignominia Colombiana e acreditam no direito inalienável a vida e perfilham um ideal de ética.
 

 

 

publicado por vitorcandidojose às 13:08
link do post | comentar | favorito
|
vitorcandidojose@sapo.pt

.pesquisar

 

.textos recentes

. Pedro Rolo Duarte

. Sem mais.

. É não é

. Soneto de Fidelidade

. Adelaide

. Quando me sinto só

. Urgências...

. CORRESPONDÊNCIA

. Livre

. Com a devida vénia ( blog...

.links

.recordações

. Julho 2010

. Novembro 2009

. Fevereiro 2009

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Agosto 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO