Sexta-feira, 26 de Maio de 2006

Ser...

           
Não sei em que momento comecei a ter a percepção em que já não chegavam as convicções para ancorar a palavra Acreditar, despida desta última a acção humana fica condenada ao néscio da incredulidade ou da acção temerária.
            Há o apoio da esperança mas para quem as convicções é uma corda que se trilha nos dias, a esperança é um mecanismo mais inerte e mesmo substancialmente mais ingénuo.
É neste conflito entre o ser e a circunstância que se recorre ao Divino. Acreditando que algo é transcendente há nossa compreensão e se perpetua no domínio da espiritualidade e por esta forma apoiei-me na Fé.
 É apenas um recurso para garantir as Convicções, quando manietados nos fatigam os dias e os vemos afundarem-se nas tempestades que formando enxurradas levam no seu turbilhão pertences do nosso coração, como pequenas virtudes que estimamos, gestos que nos encantam ou tão simplesmente pessoas que admiramos.  
 
publicado por vitorcandidojose às 13:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 25 de Maio de 2006

Há gestos...

...Domingos António Xavier, o tractorista, nunca fizera mal a ninguém. só queria o bem do seu povo e da sua terra. E por lhes querer bem não falou os assuntos do seu povo nem se vendeu. E por lhes querer bem o mataram. E por isso, no dia da sua morte, ele começou a sua vida de verdade no coração do povo angolano..."  Luandino Vieira

 

 

publicado por vitorcandidojose às 23:29
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Maio de 2006

Ser II

“...Quão intricado, enfim, este ser humano, passível de sentir e de querer para além do que está ao alcance dos nossos dedos e das nossas forças e de criar em nós mesmos o melhor esboço de carrascos de nós próprios nas nossas magoas e fantasmas, incertezas e medos... e, no entanto, quão ricos na versatilidade de um sorriso ou uma lágrima, um beijo ou um abraço e quão imperfeitos na nossa miriade de prismas todos diferentes... quão orgulhosos de abrir caminho a ferro e fogo de coração ao peito neste mundo em que sonhos às vezes não são mais que miragens...”

 

 

 

publicado por vitorcandidojose às 12:20
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 19 de Maio de 2006

Ser ( Recordando lagrimas antigas )

Projectamos no futuro imagens de uma realidade pretendida, desejos... Num formato semelhante projectamos sobre o passado uma aura de ficção. Enfim continuamos não só a fazer do ser humano a impossibilidade de chegar mas ainda o incutimos do fracasso de já em tempos ter chegado.
publicado por vitorcandidojose às 17:39
link do post | comentar | favorito
|

Alguém se leva a sério neste canto do faz de conta

"...A vaca desaparecida na madrugada de quarta-feira foi encontrada. Frente à faculdade de Veteriniária, abandonada, e com um bilhete, as autoridades conseguiram reaver a vaca Cowpyright.

O «mistério» foi desvendado hoje por uma empregada do Pólo Universitário da Ajuda, que a encontrou à porta da Faculdade.

Às 07:00 de hoje, elementos da esquadra da PSP do Calvário foram avisados pelos vigilantes do Pólo Universitário que «a empregada de limpeza tinha avistado a vaca Cowpyright», uma das 101 esculturas de fibra de vidro que integram a exposição CowParade, disse à agência Lusa uma fonte da PSP.

No bilhete que os agentes encontraram podia ler-se que «mais vale uma vaca em Monsanto do que duas no Campo Pequeno», segundo relato das autoridades.

A obra de arte, que foi encontrada frente à Faculdade de Veterinária, tem uma das patas partidas. E vai agora ser tratada e devolvida ao Campo Pequeno, local de onde desapareceu misteriosamente na madrugada de quarta-feira.

A preocupação da organização da Cowparade esteve centrada nesta vaca «raptada». Deu o alerta às autoridades, mas a obra de mais de 400 quilos esteve desaparecida até esta sexta-feira.

Só a base, na qual a vaca está colocada, pesa 350 quilos. A peça, em si, chega aos 65 quilos.

A vaca encontrava-se no Campo Pequeno, desde 14 de Maio e o desaparecimento foi detectado por várias pessoas..."

publicado por vitorcandidojose às 17:30
link do post | comentar | favorito
|
vitorcandidojose@sapo.pt

.pesquisar

 

.textos recentes

. Pedro Rolo Duarte

. Sem mais.

. É não é

. Soneto de Fidelidade

. Adelaide

. Quando me sinto só

. Urgências...

. CORRESPONDÊNCIA

. Livre

. Com a devida vénia ( blog...

.links

.recordações

. Julho 2010

. Novembro 2009

. Fevereiro 2009

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Agosto 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO