Terça-feira, 4 de Janeiro de 2005

É Difícil

O comportamento dos responsáveis pelo apoio aos portugueses na Tailândia é um momento lapidar do narcisismo que faz lei moral. Abdico de comentar desculpas de circunstância, confrangedoras e nojentas. Do alto do vazio dos seus seres e do poder das suas funções, o cargo é somente uma vaidade e não uma missão. Afinal qual a razão de Estado ou de função que levaria o diplomata a não passar o Natal no conforto da sua casa e ir enfiar-se numa terra de mortos? Imagino que não encontraram uma que justificasse o aborrecimento da decisão.

Acredito no Homem/Pessoa mesmo que ele consiga testar até ao absurdo o meu acreditar, ficando de forma tão frequente aquém dessa condição e portar-se como um cobarde. </p>
publicado por vitorcandidojose às 01:04
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 4 de Janeiro de 2005 às 18:22
Mas alguém ouviu os nossos responsáveis governamentais e/ou os seus representantes declarar que ia fazer, das suas funções, um serviço público?
Não basta fazer o juramento na tomada de posse. Tem que se ir muito para além disso.
Mas o quentinho do lar é mais apelativo, não é?
Antonio Dias
</a>
(mailto:adias23@netcabo.pt)
De Anónimo a 4 de Janeiro de 2005 às 12:49
Aqui está mais um comportamento que nos faz reflectir sobre o serviço público. Este deve ser entendido como um serviço nobre que se presta à sociedade. As benesses e "penachos" próprios da função servem para lhe conferir dignidade, "gravitas", não são um fim em si próprias.
Assistimos com desusada regularidade a gente que não compreende a efemeridade dos cargos e entende que a sociedade lhe deverá agradecer o facto de se ter predisposto a dedicar-se a determinada função. São manifestações de "messianismo" de gente que não entende o conceito "primus inter pares". É uma reflexão que justifica (parece-me) uma maior análise.

O seu texto sobre "fazer o bem" tenho-o debaixo de olho, convoca maiores desenvolvimentos muito estimulantes onde poderemos entrecruzar estas mesmas inquietações.

Um abraçoLuís Sequeira
(http://abnegado.blogspot.com)
(mailto:sequeiralopes@iol.pt)

Comentar post