Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2005

Preocupado?

Tenho estima e apreço por Durão Barroso desde o tempo em que foi Secretário de Estado no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Defendi que na altura da natural saída do Professor Cavaco Silva ele era a melhor opção para dar continuidade ao projecto do PSD, juntando as suas qualidades, o percurso longe de manobras de corredores. Foram precisos mais alguns congressos até que conquistou o PSD. Na oposição evidenciou uma paciência chinesa quer para com o “estado de graça” do governo quer para com o partido. Após a fuga Guterrista venceu as eleições e assumiu o país numa coligação com o PP. Encontrou uma ressaca financeira consequência da dupla Guterres e Pina Moura. Assumiu desafios errou em algumas matérias mas não perdeu nunca o sentido de Estado. Nos últimos tempos dei por mim a vê-lo cansado e com aquele sorriso forçado, a Comissão Europeia foi uma lufada de ar fresco.

Tudo isto não impede que não entenda o raciocínio que teve quando foi convidado para se propor à investidura como Presidente da Comissão Europeia. Não discuto ter aceite o cargo mas o que deixou no país. Indo directo ao assunto porque razão não optou pela escolha natural que era a numero dois do governo? Ferreira Leite dava a garantia do projecto político continuar, é alguém que reúne um capital de firmeza, justiça, convicção, competência e credibilidade.

Provavelmente intoxicado pela lógica partidária, acabou por optar pela falta de credibilidade, pela instabilidade, pela incapacidade e pela derrocada do projecto político que tinha dado a vitória ao PSD. Imaginou que Santana era consensual no partido? Que seguiria o seu projecto? Que seria muito forte no domínio da imprensa? Terá se esquecido que o seu sucessor é alguém com um percurso no mínimo inconstante. Num período de austeridade a opção é por quem deixou a factura em cima da mesa na Figueira para que quem venha atrás feche a porta. Esqueceu-se das piruetas do casino, esqueceu-se da iniquidade de pensamento, esqueceu-se da necessidade do petulante protagonismo em tantas atitudes amiúdes. Ampliou toda esta vacuidade de competência disfarçada por um forte instinto político ao cargo de Primeiro Ministro? Senhor Durão Barroso o senhor podia e tinha a estrita obrigação de não ter contribuído para este degradante espectáculo que assiste agora num gabinete em Bruxelas. Já disse que estava “preocupado” é capaz de ser ligeiramente desfasado esta observação perante a crise para a qual o senhor contribuiu.
Se por alguma razão que quase todos desconhecemos, Santana fosse para si a única hipótese, o senhor em consciência apenas tinha um caminho, recusar o cargo na Comissão Europeia e manter-se a frente do governo português. O senhor não agiu, reagiu e como tal ficou encurralado perante os acontecimentos, entre a vacuidade que tanto o incomoda e a covardia.
O senhor conhece-lo e bem melhor do que todos nós.
Pode agora com algum sarcasmo comentar que o Pedro esta a colher o que semeou... Só que mais nenhum português semeou isto que o senhor nos deixou.
publicado por vitorcandidojose às 00:17
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Anónimo a 16 de Janeiro de 2005 às 12:44
Desculpe, "docerebelde" mas não percebo a quem se refere quando diz que cada um puxou a brasa à sua sardinha. Se estiver disponível, esclareça-me. Obrigado.Antonio Dias
</a>
(mailto:adias23@netcabo.pt)
De Anónimo a 14 de Janeiro de 2005 às 23:02
Diz o proverbio popular: Para bom entendedor meia palavra basta, pois é , tb bastou ler os comentários para rotular os autores...cada qual puxou a brasa á sua sardinha. Moral da história, "TODOS" sacudiram a água do capote e quem está por cá é que tem de ir apertando o cinto...apertando o cinto...até que DEus queira! Temos ainda um mês para pensar quem melhor servirá para AGUENTAR o país (porque levantar já é tarde) Fiquem bem....docerebelde
(http://docerebelde.blogs.sapo.pt)
(mailto:docerebelde@net.sapo.pt)
De Anónimo a 14 de Janeiro de 2005 às 12:11
Sendo que o "aqui" era uma hiperligação que esta janela não aceitou para http://fogodeprometeu.blogspot.com/2004/08/ainda-sobre-europa-e-o-cherne.html . Obrigado.
PrometeuPrometeu
(http://fogodeprometeu.blogspot.com)
(mailto:daniel_theraven@msn.com)
De Anónimo a 14 de Janeiro de 2005 às 12:09
Como se pode ler claramente aqui (http://fogodeprometeu.blogspot.com/2004/08/ainda-sobre-europa-e-o-cherne.html), o Cherne não tinha outra opção senão aceitar o cargo. É claro que mesmo que não o tivesse aceite, a situação não estaria melhor: Santana apenas veio apressar a queda. Pelo menos assim ficamos sem radicais de direita mais depressa do que o previsto!

Não que isso seja de grande consolo, claro...

PrometeuPrometeu
(http://fogodeprometeu.blogspot.com)
(mailto:daniel_theraven@msn.com)
De Anónimo a 13 de Janeiro de 2005 às 18:13
Guterres fugiu, é verdade. E Barroso? Como se chama a sua atitude? Pode dizer-se, sem receio de contestação, que Barroso foi cobarde. Foi perceptível a sua quase entrada em pânico por ver o País cada vez mais afundado, com a sua cumplicidade. E, sem capacidade para dar a volta ao problema, agradeceu a benesse Comissão Europeia. Just in time! Grandes amigos tem Barroso na Europa dos... quinze, é?
O PS de Guterres falhou? É evidente que sim. E já não havia falhado o PS de Soares? E o PSD de Cavaco? Nessa linha de "continuidade" pacóvia e incompetente, Barroso e Lopes limitaram-se a mostrar a sua incompetência, salpicada de arrogância. Ah!!! Mas eu prometi que não falava de política até, pelo menos, ao benefício da dúvida (20 de fevereiro).
Desculpem e até lá.Antonio Dias
</a>
(mailto:adias23@netcabo.pt)
De Anónimo a 13 de Janeiro de 2005 às 15:12
Exactamente. Quando a poeira pousar vamos ver em Durão Barroso um dos (senão mesmo o maior) responsável pelo que aconteceu. Barroso conseguiu uma coisa notável: o país estava finalmente mentalizado da necessidade de poupar, sabia que os sacrificios que fazia tinham sentido. Barroso, estava a ajudar a construir lentamente uma mentalidade de "formiga". Ao sair, apressadamente, apostou na mentalidade da "cigarra" - (ele melhor que ninguém sabia que seria assim). Demorará até compreendermos melhor os contornos do que se passou. Continuo a não permitir-me colocar a hipótese de que o fez propositadamente para desmascarar PSL, afastando-o irremediavelmente dos lugares cimeiros do PSD, não quero ver as coisas por este prisma. Contudo, Barroso permitiu que o PSD perdesse muito, mesmo muito, do capital que acumulou. Vai ser dificil e penosa a próxima "caminhado no deserto" que o partido terá de efectuar.Luís Sequeira
(http://abnegado.blogspot.com)
(mailto:sequeiralopes@iol.pt)

Comentar post