Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2005

Florbela Espanca

Há em cada verso uma dor, uma revolta, até uma derrota, há desejo, paixão, amor, desprezo, angustia , solidão , paz, há tanto de tantos sentimentos que com mais ou menos frequência invadem o nosso espirito.
Esta é a historia de uma mulher que se encontrou com ela e não se encontrou com os outros, perdeu-se num prematuro Inverno da vida mas legou uma herança de uma beleza inaudita.
É de palavras com alma que se enche cada pagina da sua vida
Uma alma incompreendida, singularmente bela e revestida de tragédia
Sentir as palavras de Florbela Espanca é usufruir de uma dadiva.
publicado por vitorcandidojose às 08:59
link do post | comentar | favorito
|
vitorcandidojose@sapo.pt

.pesquisar

 

.textos recentes

. Pedro Rolo Duarte

. Sem mais.

. É não é

. Soneto de Fidelidade

. Adelaide

. Quando me sinto só

. Urgências...

. CORRESPONDÊNCIA

. Livre

. Com a devida vénia ( blog...

.links

.recordações

. Julho 2010

. Novembro 2009

. Fevereiro 2009

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Agosto 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

blogs SAPO